9/18/2008

Perfumismo passivo, flagelo dos nossos dias

De há uns anos para cá tem-se falado muito em tabagismo passivo e pessoalmente acho muito bem que se chame a atenção de todos para este problema que tantos males causa e que é frequentemente (convenientemente) ignorado por pais, adultos em geral e por 'adolecentes inconcientes' que vêem na atitude de fumar na última fila do autocarro uma postura de rebeldia capaz de despoletar nos seus pares reacções do género: "Uau! És muita bom (boa)! Desafias a autoridade! Cá pra mim és o mais popular do burgo. Vou já propor a um agente cinematográfico que sejas convidado para protagonizar a próxima série teen do Disney Channel! " (ou da TVI, o que deve ir dar mais ou menos no mesmo...).
Sim, o tabagismo passivo é uma praga que deve ser combatida e, se me perguntam o que penso da nova lei, tenho de dizer que acho muito bem (aliás, se não me perguntam digo na mesma...). Quero ser eu a decidir quantos cigarros fumo por dia, a que horas os fumo e de que marca são.

Mas hoje gostaria de chamar a vossa atenção para outro flagelo que tem sido sistematicamente ignorado pelas autoridades competentes e que, no meu entender ,deveria ser combatido energicamente. Falo do perfumismo passivo. Sim, porque se todos sabemos que os cigarros dos outros causam anualmente centenas de milhares de cancros do pulmão e doenças respiratórias a nível mundial em cidadãos inocentes, inclusivamente em crianças, já a dimensão dos danos causados pelo perfumismo passivo é (que eu saiba) totalmente desconhecida. Os inúmeros e incontáveis devem com certeza conhecer o fenómeno a que me refiro: falo daquelas pessoas que tomam literalmente banho em perfume, obrigando quem quer que se aproxime a respirar os odores por elas (abudantemente) exalados, às vezes mesmo fazendo os demais - atrever-me ia a dizê-lo - correr perigo de vida. É verdade, há substâncias cancerígenas, estimulantes/depressoras do sistema nervoso central, anorexígenas, algumas chegam mesmo a ser alucinogénicas, outras ainda hipnóticas ou psicotrópicas, e, para mais, se a poluição atmosférica é crime, não se percebe por que motivo não são estas pessoas autuadas. Aliás, tendo em conta que, no nosso país, são sempre os indivíduos (de preferências om parcos recursos) a desembolsar coimas e multas para encher os cofres do Estado enquanto as grandes empresas prosseguem incólumes as suas actividades ilícitas - frequentemente causando catástrofes ambientais -, não compreendo que lógica preside a este aparente vazio legal (deve haver uma clausulazita da legislação que contemple este aspecto, mas infelizmente não sou jurista e quase que aposto que dificilmente daria por ela). Finalmente, e estou certa que os meus inúmeros e incontáveis me acompanham nesta minha posição, a regra do livre-arbítrio também significa que somos todos livres de nos drogarmos com as substâncias por nós escolhidas e que também podemos preferir não o fazer às oito da manhã...

Por tudo isto o meu apelo de hoje dirige-se à ASAE e à população em geral: combatamos o perfumismo passivo. O perfumismo passivo é um dos grandes males que assolam a sociedade contemporânea. Abaixo o perfumismo passivo. Todos à massiva distribuição de sabonetes neutros que irá decorrer em data a anunciar num centro urbano próximo de si. Assinem as petições à EPAL contra os cortes no abastecimento e à Assembleia da República visando tornar os mesmos inconstitucionais. Façam desta luta A NOSSA LUTA.

11 comentários:

Luz de Estrelas disse...

Nem digas nada, CJ. Até tusso qdo sou atacada por um desses perfumes.E às vezes tusso de propósito para a pessoa perceber que certos aromas uma gota já é demais!!! Faça-se o referendo que eu voto contra o perfumismo passivo.

Luisa disse...

Eu assino a petição contra o perfumismo passivo se aparecer outra contra os mal-cheirosos que não tomam banho, nem sabem para que serve o desodorisante e nem uma gota de perfume pões! Para mim isto é bem pior! Então nos transportes públicos há gente que me dá vómitos!

Beijinhos

Cool Mum disse...

Bora aí Luísa.

a mãe dos miúdos disse...

eu assino!

Ana disse...

ha ha ha ha

Hoje é dia de entrevistas aqui no trabalho e assino qualquer petição contra o perfumismo....até me doi a carola!

Amélia do Benjamim disse...

A minha amiga búlgara diz que isso no seu país é mesmo falta de educação, na perspectiva feminina claro, tipo cuspir no chão ou tirar cera dos ouvidos com o dedo mindinho que também serve para palitar os dentes -traseiros- e coçar os tin-tins na perspicaz versão homem-portugês.:s

Eu diria que não têm amigas.:|

Beijo na certa

Caracoleta disse...

Eu assino!!!
Há pessoas que andam tão carregadinhas de perfume que se abres a boca ao pé delas sentes o sabor do perfume, blhacccccccc :PPPPPPPP

Madalena disse...

Eu sou uma vítima! lol. A sério: tenho imensas alergias e procuro sempre tudo o que não tenha perfume para não desatar a coçar-me desalmadamente o que, além do mais, é falta de educação. Mas levo com os perfumes dos outros no nariz, uma das minhas partes mais sensíveis. Eu não meto literalmente o nariz onde não sou chamada. Os perfumes é que se metem nos narizes onde não são apreciados. Bora lá protestar! Beijinhosssssssssssss
(Muito obrigada pelas visitas e pelos comentários.Cda vez que lá passas fico 2cm mais vaidosa!LOL)

rotten_apple disse...

Uma coisa que n tem nada a ver. Tu comentaste o mu blogue! Estou tão honrada! É que eu sou tua leitora silenciosa. Prometo ser uma activa comentadora a partir de agora.
Beijinhos. Namasté! :)

Joana

Pitanga Doce disse...

E pronto! Compraste uma briga comigo, pois eu não saio de casa sem o meu perfume. Mas há perfumes e PERFUMES!
Em primeiro lugar (e agora recorro à piada) deveria haver um mini curso intensivo de como, onde e qual perfume pode ser usado.
Às oito da manhã, uma colônia refrescante do tipo Aqua do Boticário vai muito bem. Eu prefiro o Anais de Cacharel, que em doses (homeopáticas) não faz mal a ninguém. Já á noite, e só em lugares especiais, um Paloma Picasso.
Sabonetes neutros????? Ó pormaordedeus! Vão todos ficar a cheirar a sabonete de hotel que por mais estrelas que tenham (os hotéis) têm todos aquele cheiro de sabão de côco. (existe aí o sabão feito da essência do côco?) Ich!

Mas agora, cá entre nós, o pior é quando no Inverno, passamos por alguém dentro de um supermercado lotado e sentimos aquele cheiro de camisola de lã mal lavada misturado ao suor do dono que não vê água há mais tempo que a camisola. hehehehe

Viva o perfume!!!!

Cristina disse...

LOL. Então eu, que tenho um nariz sensível... Voto contra também!

Cristina