10/29/2007

Saudades da Blogosfera (parte 2 e ainda não última - sorry!!!)

Aquilo dizia-me tanto, era-me tudo tão familiar. Impossível não comentar, não dizer allô, eu estou aqui, sou tua amiga, tua irmã. Disse-lhe. Ela respondeu-me. Foi ela, a responsável por eu ter voltado ao Nada. Por ter feito um novo início. Por ter assumido a personalidade da Calamity.
Depois, vieram a Carla, a Estrelinha, a Loira. Todas como bizarras, divertidas e sedutoras extensões de mim própria. Devagarinho, primeiro. Como que a medo. O desflorar tímido de novos territórios. O descobrir cauteloso do outro - da outra, neste caso. O feedback despontava, empático, hilariante, bombástico, avassalador. A Zuza, a Frenética, a Sandra J, a Rute. A CK. A Azulinha. Gaijas, gaijas. Desculpem se me esqueço de alguma. A ideia nem é ser exaustiva. Foram momentos excitantes, delirantes. Todos os dias, horas na PC da minha mãe, eu sempre sem net em casa. Bebé no berço. Bebé nos braços. Bebé a mamar e eu a blogar. A emoção de postar e esperar pelos comentários. De sair de blog em blog à descoberta do que tinham elas inventado para hoje. de comentar e comentar os comentários. O que iam elas responder? Iriam elas gostar? Os primeiros encontros. O perceber que não era engano aquela sensação de conhecer mesmo as pessoas. O prazer de conseguir ainda surpreender-me com elas. E outra vez o receio de postar, pois agora já as conhecia. Já tinham rosto. Já sabiam o meu verdadeiro nome, o meu nº de telefone. Mas era irreversível. O Nada tinha ganho vida própria. A Calamity tornou-se quase maior que eu. Mais corajosa, pelo menos. Porque se expõe de uma forma que eu nunca teria ousado. Nunca ousei. Alguma vez ousarei?
Com quatro meninas que tinham ainda mais pontos em comum comigo do que as outras todas - por afinidades do coração, da cabeça e de ganha-pão, o que acaba por unir mais as pessoas do que se possa julgar - formou-se uma Estrela de 5 pontas, uma Estrela de Estrelas que brilhou e aqueceu os nossos corações para lá da blogosfera, para lá dos pequenos-almoços em tom de 'O Sexo e a Cidade' versão lisboeta com menos sexo, menos cidade, mas mais projectos, efervescência barulhenta e louca, que acabava sempre muito antes de ter começado a render coisa que se pudesse aproveitar realmente. Brainstormings frutuosos mas a pedir mais, a exigir sempre mais e nós a ter que ir, chamadas pelos filhos, pelos gaijos, pelo trabalho, o trabalho, o trabalho, o trabalho. Uma das pontinhas fazia-se sentir à distância, mas a presença dela era tão, mas tão forte que sinto desde então que ela sempre esteve lá. Até hoje, não lhe senti a consistência do abraço, mas conheço-lhe a composição da matéria. Verdadeira poeira de estrela. Luz capaz de trespassar a distância e a escuridão.

Mais à frente apareceram os primeiros gaijos. Um embate - aguardado mas temido . Enquanto as coisas se mantêm no âmbito estritamente feminino, tudo é permitido. Entre mulheres vai-se à casa de banho e, se não fomos à depilação, tudo bem. Elas entendem. Agora tirar as calças sem ter tratado do contorno do bikini é coisa que não se faz em qualquer praia. Estranhamente, a entrada dos homens no Nada não me bloqueou. Nem mesmo depois de, pelo menos um deles passar a ter rosto, nome, cheiro (como ele próprio referiu) e nº de telemóvel.

(continua)
P.S. Desculpem-me os inúmeros e incontáveis, mas o dever chama-me. Não se trata absolutamente de uma estratégia de marketing - se bem que até é capaz de funcionar... heheheh! Volto assim que puder, ok?

11 comentários:

Cool Mum disse...

Não há duas sem três, ou quatro, ou cinco. Tipo Rambo.

. disse...

Suspiro... Suspiro..... Lagrimita. Que texto, minha Calamity. Descreveste tão bem aquele início. Tão lindo. E eu parece que me limito a andar por aqui, a piscar, a agradecer-te por cada texto. E sempre, sempre à espera que escrevas mais. Porque, na verdade, temo por ti. Que não consigas viver o suficiente para escrever tudo o que tens aí dentro, mesmo que chegues aos cem anos.


Luz de Estrelas

Nem precisava de assinar, pois não?

Melões Melodia disse...

Ai, Ai, Ai, Ai, Ai, ai, Ai!!!!
mas tu pensas que os nossos cerebros nao conseguem armazenar mais do que 100 palavras de cada vez?

Caracoleta disse...

A estratégia está a funcionar...
Acho que anda por aí um batalhão de gajas e alguns gajos de nariz colado ao monitor à espera do terceiro episódio, lol!
Continua que eu estou a adorar!
Beijo

Caracoleta disse...

e fiquei muito curiosa pelas semelhanças que comentaste entre as nossas meninas...

Cristina disse...

:) Acho que o melhor da blogosfera é poder partilhar experiências. Encontramos força em textos que relatam situações tão parecidas. E então transpor isso para a vida real, ainda melhor. Conhecer pessoas novas, com as quais nos identificamos...

Bjos

Cristina

Mariah disse...

Bela estratégia de marketing, tenho que admitir. Mas valeu a pena esperar. Gostei tanto desta frase, "...até hoje, não lhe senti a consistência do abraço, mas conheço-lhe a composição da matéria."
Um beijo grande

AEnima disse...

Admito que as afinidades blogosfericas me ajudaram a passar momentos de solidao e duvida grandes... em que ja nada me fazia sentido. Algumas dessas afinidades ja se transformaram em amizades, quando se proporcionou um jantar em pessoa. Acho giro como pessoas tao diferentes se juntaram e criaram uma amizade, ainda jovem, mas ja bonita e forte. Gostava ainda que conhecer mais 2 ou 3 rostos, admito.

Vim aqui agradecer-te os votos todos la nas edicoes e dizer-te que e' PhD - doutoramento em Portugal.

Beijinhoooooooooo

125_azul disse...

Queridíssima: não vais acreditar, mas há 2 dias que tenho o PC aberto no Nada, sem conseguir um milésimo de segundo para ler os teus 2 últimos posts (ontem nem para mandar a minha posta). Quando repetimos o próximo jantar, lanche, ceia, o que seja?
PS: posso assinar este texto contigo? É em tudo parecido com as minhas viagens e início na blogoesfera...
Happy Hallowen!
Abracinho bom

Ck in UK disse...

olha calamity, pra quem escreve assim (leia-se: tao bem) tu devias era postar mais, ok? e que fazias aqui um favor a malta.

identifiquei-me tanto com o teu texto. Aquela parte do " que sera que elas iam inventar pro dia de hoje"...

Loira disse...

Muito mais cidade do que sexo realmente :).
ESTOU AQUI. Sem tempo, sem cabeça, quase sem blog, mas aqui...
Senti o mesmo q tu, em tudo. Fico mto feliz por ser uma das pontas dessa estrela. Acho q o melhor da blogosfera foi o que consegui trazer para a minha realidade: vocês!
A nossa estrelinha está de volta.
bj*

Ps: ando a tentar resolver a minha vida.