12/07/2007

Tá tudo doido???

O Presidente do Banco Central Europeu defendeu há dias, num simpósio em Berlim o fim dos salários mínimos obrigatórios. Afirma o iluminado senhor, de seu nome Jean Claude Trichet - refira-se a título de curiosidade que 'tricher' significa em francês 'fazer batota - que os mesmos impedem a criação de postos de trabalho. Boa, senhor Trichet! Eu se fosse a si levava a coisa mais longe. Bute nessa! Inúmeros e incontáveis, o desafio é claro: vamos todos escrever à Comissão Europeia e defender o regresso da escravatura. Se formos muitos, muitos, mesmo, pode ser que a malta consiga. A bem dizer já esteve mais longe. Bem mais longe. Cerca de 5 décadas antes da Revolução Industrial...

Uma senhora cujo nome não foi divulgado resolveu doar o seu corpo Faculdade de Medicina de Coimbra. Uma bela atitude, a bem do avanço científico, penso eu de que. Ora, a referida senhora faleceu sexta-feira passada, no Instituto de Oncologia daquela bela cidade. Acontece que o referido Instituto tinha a câmara frigorífica avariada. A faculdade estava fechada e ninguém conseguiu contactar com os responsáveis da instuitição universitária. Por sua vez, o Instituto de Medicina Legal recusou-se (!!!) a guardar o corpo. Resultado: quando, na 2ª feira, chegou ao IPO o técnico da Faculdade de Medicina encarregue de recolher o dito corpo, este já não se encontrava em condições para ser usado com fins científicos. Ora! Qual é o problema???! Não dá para perceber. Lá porque o cadáver tinha três dias, não o podiam utilizar?! Estes cientistas têm cada uma! Precisavam de um corpo, não era? O corpo estava morto, certo? Então! Morto por morto, o que é que isso interessa...

O Tribunal Judicial de Vila Real resolveu 'devolver' à mãe biológica a menina Iara, de 6 anos, que vive desde os 25 dias de idade com os 'pais afectivos', a nova expressão agora em voga para designar aqueles que são pais embora não adoptivos, neste caso porque se trata de uma família chamada 'de acolhimento'. Refira-se que, quando tinha cerca de 2 anos, a menina chegou a a ser entregue pelo Tribunal de Alijó à mãe biológica, toxicodependente. Pouco tempo depois foi o próprio companheiro desta que devolveu a menina aos pais afectivos, por se aperceber da incompetência desta em cuidar da filha. Iara sabe da decisão judicial: "Fartou-se de chorar, não quis ir à escola e fez chichi nas calças"... Os pais afectivos não sabem se ainda passará o Natal com eles, já que poderá ser retirada à família de acolhimento a qualquer momento. O motivo de tão nobre decisão prende-se com a alegada recuperação da mulher que há seis anos a deu à luz.
Eh pá malta, esta nem sequer consigo comentar.

Só vos digo, inúmeros e incontáveis.
Ponham-se a pau.
Lembrem-se daquele poema de Berthold Brecht:

Primeiro levaram os comunistas,
Mas eu não me importei
Porque não era nada comigo.

Em seguida levaram alguns operários,
Mas a mim não me afectou
Porque eu não sou operário.

Depois prenderam os sindicalistas,
Mas eu não me incomodei
Porque nunca fui sindicalista.

Logo a seguir chegou a vez
De alguns padres, mas como
Nunca fui religioso,
também não liguei.

Agora levaram-me a mim
E quando percebi,
Já era tarde.



Inúmeros e incontáveis: desejais que continue esta minha leitura dos jornais da semana?

PS: As inscrições para a janta continuam abertas...

8 comentários:

. disse...

Um dia destes também me levam a mim. Eu tb concordo com o regresso da escravatura legal. Porque, afinal de contas, vejamos bem, a escravatura encapotada (ou para todos verem) nunca deixou de existir. E tb recomedo chicotadas à mistura, assim como assim sempre enrijecemos um bocado o lombo.

A senhora que doou o corpo, coitada, deve andar às voltas nas nuvens. Faz-me lembrar a morgue desta ilustre cidade onde, até há bem pouco tempo, os cadáveres dormiam todos uns em cima dos ouyros ou ao relento até apodrecerem, por não haver espaço.

A mãe biológica da Iara também está a ver se doa a alma e o coração da miúda, certo? É que, se calhar, para ser feliz, só mesmo sem essas duas coisas.

Divirtam-se no jantar. Chuacccc!



Luz de Estrelas

125_azul disse...

Ai o caracinhas...chiça!!! Já te mandei um mail a pedir desculpa por ser uma gradessíssima mula, mas perto dos senhores do teu post até já me sinto perdoada. Eu tou na lista para a janta!
beijo, boa semana

chiqui disse...

Genial, o Brecht.
E como algumas coisas "antigas" que tu mostras aqui no blog... ai menina... tao actuais que ate me da um no no estomago!!

Quanto as noticias... nada a acrescentar... nao sei o que dizer...sim, parecem-me assim tao mas!!

Mas falando de coisas boas, bota la eu mais o meu mad pra festarola, se queres ver... :))

Mocho Falante disse...

eh lá vai haver festa de arromba, manda lá detalhes pode ser que possa ir

beijocas

Mariah disse...

Querida Calamity,sempre gostei de andar informada e sempre procurei, através da leitura de jornais,ir acompanhando o que se passa neste mundo. mas ultimamente ando um pouco "a leste" de tudo o que, atendendo ao que aqui escreves, já nem sei é mau ou bom. Bem essa de acabar com ordenado mínimo, sinceramente não me surpeende nada. Se se abolir o ordenado mínimo as empresas podem contratar funcionário por tuta e meia, até de borla, porque não? HAverá melhor solução para aumentar os lucros das empresas?
Tá mesmo tudo doido!!!
beijos

Tuxa disse...

O Calamity,

Haja mais pessoa como tu, de olhos abertos e pode ser que ainda vamos a tempo de arrepiar caminho...

Que mete medo, mete! Muito...

Mãe Frenética disse...

Credo, e não houve nem uma boa noticia????

(so sei do jantar mais perto da data, sim?)

Ck in UK disse...

Tens razao, anda tudo louco.
e eu ainda nao sei nada da minha vidinha no dia do jantar, mas assim q souber aviso