2/15/2008

O S. Valentim é um canalha*

Perguntaste-me se lhe havias de enviar um sms pelo S. Valentim.
(Que sei eu do amor, meu amor?)
Respondi-te que sim, que o fizesses, se achasses que era o que devias fazer - versão irresponsável e cobarde do "faz o que o coração te mandar". Às seis da tarde ligaste-me. A chorar. "Ela disse que não". Soluçavas no teu pranto de menino. Na tua dor tão grande que era maior do que eu. Meu amor.
Se soubesses, se imaginasses o quanto foi minha a tua dor. A vontade que tive de sair a correr para te ir pegar ao colo, abraçar-te e chorar contigo. Ficar com o teu sofrimento, tirar-to todo, todinho. Dizer-te que não há no mundo mulher que mereça uma lágrima dos teus olhos de ouro. É tão cedo, meu filho. Tão cedo ainda.
Quis dizer-te que não ligasses, que não desses importância. Mas eu sei, meu filho: hoje nada é mais importante que o teu amor de menino. Meu menino.
Um dia vais sentir um amor tão maior ("Oh mãe, mas eu gosto mesmo dela. A sério. Quando estou com ela sinto uma dor na barriga. Porquê?").
Um dia o teu peito vai querer rebentar para que o teu amor se espalhe pelos campos, pelas ruas. ("Oh mãe, eu não quero gostar de outra pessoa. Eu quero gostar dela para sempre!"). Meu amor.

Sabes, filho, o S. Valentim é um cretino. Um malandro, um pulha, um canalha. Um santo do pau-oco, um aliado do capitalismo selvagem, o inimigo nº 1 do Robin dos Bosques: rouba aos pobres para dar aos ricos. Apenas existe para os encher ainda mais e esvaziar-nos a nós. E agora o biltre causou-te o primeiro desgosto de amor. Meu amor.

Deixa-me que te mande o meu postal de São Outra Coisa Qualquer (haverá lá santo que seja capaz de patrocinar o amor de uma mãe por um filho?) sob a forma de uma canção (como todas as canções de amor, ridícula)

Namoro

Mandei-lhe uma carta em papel perfumado
e com letra bonita dizia ela tinha
um sorriso luminoso tão triste e gaiato
como o sol de Novembro brincando de artista
nas acácias floridas na fímbria do mar

Sua pele macia era suma-uma
sua pele macia cheirando a rosas
seus seios laranja laranja do Loge
eu mandei-lhe essa carta
e ela disse que não

Mandei-lhe um cartão que o amigo maninho tipografou
'por ti sofre o meu coração'
num canto 'sim' noutro canto 'não'
e ela o canto do 'não' dobrou

Mandei-lhe um recado pela Zefa do sete
pedindo e rogando de joelhos no chão
pela Sra do Cabo, pela Sta Efigénia
me desse a ventura do seu namoro
e ela disse que não

Mandei à Vó Xica, quimbanda de fama
a areia da marca que o seu pé deixou
para que fizesse um feitiço bem forte e seguro
e dele nascesse um amor como o meu
e o feitiço falhou

Andei barbado, sujo e descalço
como um monangamba procuraram por mim
não viu ai não viu não viu Benjamim
e perdido me deram no morro da Samba

Para me distrair levaram-me ao baile
do Sr. Januário, mas ela lá estava
num canto a rir, contando o meu caso
às moças mais lindas do bairro operário

Tocaram a rumba e dancei com ela
e num passo maluco voamos na sala
qual uma estrela riscando o céu
e a malta gritou 'Aí Benjamim'

Olhei-a nos olhos sorriu para mim
pedi-lhe um beijo
lá lá lá lá lálá lá lá lá lá
E ela disse que sim
E ela disse que sim
E ela disse que sim
E ela disse que sim...

(letra Viriato Cruz, intérpretes vários)

*(havia um filme francês chamado 'Le père-Noël est une ordure'. Não sei como se traduz 'ordure', que era a palavra exacta que gostaria de usar aqui. 'Canalha' é o conceito mais aproximado que encontrei.)

19 comentários:

125_azul disse...

Ele é um grande sacana, pois é, querida! Também tive um filme parecido com a minha princesa maior...
Enche o piolhinho de beijos e investiga esse projecto de "nora" (será preciso dar-lhe uma coça?)
Abraço bem apertadinho

Mãe da malta disse...

As dores do crescimento deles são também tão nossas.

Força!

(tão lindo, o poema)

Melões Melodia disse...

As vezes temos a tendencia a nao dar importancia a estes amores de crianca. So que para eles sao tao importantes como os nossos amores de adulto. quanto ao Valentim, ja disse tudo o que tinha a dizer no post do ano passado.
Beijo grande

. disse...

A gajinha não sabe o que perde. Palerma! Eu que tivesse a idade dele!! EUZINHA! Jamais o desgostaria. S. Valentim da treta. Pus-me no teu lugar e no lugar dele o meu filho. Arrepiou-se-me a asa esquerda. Eiu qdo era pequenina tb sofri de amores. Depois disso (quase) só fiz sofrer os outros. Luz

ORDURE!!!

O Poema é lindo

Pitanga disse...

Ih! Dor de cotovelo nem um gelado resolve. Mas tem um lado bom, sabes? Ele dividiu a desilusão contigo. Quando crescer...


beijos

Caracoleta disse...

S. Valentim é uma fraude! Um burlão!
Isto não se faz a um menino que deve ser bem giraço e simpático!

Cool Mum disse...

uuuiii

Belita disse...

Fizeste-me pensar no que me espera daqui a uns anitos... E deve ser tão triste a sensação de não conseguires aliviar o seu sofrimento...

Beijinho

Isabel

Loira disse...

Rejeitar o teu menino? Isso é ainda pior do q saltar p/ cima do teu menino... onde é q está a gaja? HUM???

Mãe Frenética disse...

Sabes, eu tb odeio o S. Valentim!

Acho que nos deviamos juntar e dar-lhe um arraial de porrada!!

. disse...

Fren e Loira, ahahahah. Fizeram-me rir. Luz

Madalena disse...

Eu vou revelar-te aqui, em centésima mão, o que me disse o meu pai, quando me viu assim desolada por ter tido ordem de despejo da vida de alguém.
"Olha, filha, hoje parece o fim do mundo. Amanhã já é melhor. E depois aparece sempre um gajo mais porreiro. Vamos celebrar! propôs. E fomos. ESta foi a boa educação que o meu pai me deu, acredita. Ensinou-me a viver "à séria". Eu é que não aprendi bem as lições todas que ele me quis ensinar. Mas esta aprendi. Ele tinha razão. Apareceu mesmo um "gajo mais porreiro". Beijinhos, Calamity! Ser mãe tem destas coisas!

chiqui disse...

oh pa, comeca cedo o miudo...

beijos solidarios para o rebento

(eu ate acho que comecar cedo e bom, exercita o coracao para aquilo que ha-de vir ;))

Anónimo disse...

Não posso crer o R é lindo, tão inteligente, é mesmo o meu sonho de neto!
Um beijo

Mariah disse...

Eu alinho no arrail de porrada!! Maldito são valentim! E como escreve a Luz, a gaginha não sabe o que perde.
beijos
P.s- fiquei curiosa, fiz uma pesquisa e vi o filme. É horrível,lol

Ck in UK disse...

Este e possivelmente o teu melhor texto. Devias imprimir e guardar....

Monikyta disse...

há um ano atrás n consegui deixar-te uma palavra pq confesso, tocou.me mt mais o facto de teres postado um poema de um conterraneo meu, q o desgosto do teu mini-calamitoso....hj, acomodadadas as saudades de casa, deixo um bj ao filho, q espero já refeito deste 1º desgosto, e à mãe, tb refeita de inúmeros e incontáveis ?! :P

bj meu

Tânia disse...

Muito bom... Muito bom mesmo

Sophis disse...

De tudo, há aqui uma coisa que dói tanto, por ser tão de todas nós: a dor que é nossa, que dói mais por não lha podermos tirar. bj