8/10/2007

Adeus

Símbolo familiar da resistência, orgulho desmedido do meu pai. Tu, o homem que viveu a revolta de Beja. Tu, que aguentaste, sem trair os teus camaradas, a tortura pidesca que te levou um dos pulmões antes mesmo de os meus se abrirem para o mundo. Tu, cuja imagem me acompanha desde que me lembro de mim, naquela memorável foto comigo aos ombros. Eras tu que mal te continhas de felicidade por conhecer a filha do teu irmão? Ou eu, que não cabia em mim por desfilar aos ombros do meu glamoroso tio?
Sabes que era por ti, para disputar a tua aprovação que eles - os dois putos! - se digladiavam nas intermináveis consoadas, em que o H bebia demais e fazia questão de se mostrar reaccionário só para ser do contra, ele que nunca soube arcar com o vosso brilhantismo. Todos discutiam, o meu pai passava-se, o H passava das marcas e tu batias com os punhos em cima da mesa, dizendo que não estavas disposto a aturar aquilo na tua casa. Talvez por isso não tenhas recebido a malta prá consoada no ano passado. Porque não estavas para levar com os números infantis dos teus dois irmãos mais novos que, ironicamente, o faziam para merecer a tua atenção - por que outro motivo o fariam? - mesmo que isso acabasse por estragar a noite de todos.
Mas era nessas noites que a família - pouco dada a grandes reuniões - estava junta, se ria das desgraças passadas e "recuperava" um ano inteiro sem se pôr a vista em cima. Minto: também havia o aniversário da F, a fechar o verão, num restaurante de Sesimbra ou do Meco, toda a malta a alambazar-se a tarde inteira de camarões e outras iguarias oceânicas. Sempre gostaste de te tratar bem - e a nós. Nos natais, nunca faltou o belo ananás dos Açores, o queijo da Serra a esvair-se, o tinto de reserva, tudo do bom e do melhor. Tudo tuga, que sempre foste adepto de que "o que é nacional é bom". À excepção do bacalhau, claro, de primeiríssima, cada posta com meio palmo de altura.
Todos os que passaram por ti de ti gostaram, porque sempre foste gentil e generoso, convicto das tuas convicções. Deve ter sido por isso - por que outra razão seria? - que sempre tiveste a casa cheínha de presentes. Nos tais natais, os da família eram apenas uma pálida amostra no meio dos outros todos, que submergiam por completo a carpete, no espaço exíguo que ia do pinheirito à mesa de vidro, cujo tampo mal se via debaixo das caixas e caixinhas. Devia ser, só podia ser por seres um bom homem, que nunca ouvi quem quer que fosse apontar-te o mínimo defeito. Nunca tiveste papas na língua e sempre te ouvi dizer o que pensavas - doesse a quem doesse. Sem violência, mas também sem rodeios. És também, para mim, um exemplo de amor conjugal: quantas décadas durou o teu casamento? Quantas viagens fizeram vocês juntos, sempre juntos? Sempre queridos um com o outro, sempre com presentes e mimos um para o outro, sempre moreníssimos dos verões passados na praia. Que vai ela fazer agora sem ti, ela que desde sempre viveu por ti? Sempre tão bonita, tão arranjada. Como devias amá-la... Como ela te ama... Como tentou despertar-te desse teu sono profundo, agora eterno. Por mais que feche os olhos, dentro das pálpebras fechadas continuo a ver-te, trinta e tal anos atrás, naquela fotografia a preto e branco, com a tua pequena sobrinha aos ombros. O teu bigode de esquerda. A tua pele morena. O teu sorriso.
Até sempre meu querido, querido tio

16 comentários:

Amélia do Benjamim disse...

Tu escreves tão bem que me comoves, muito.
Um beijo. E ainda outro.

chiqui disse...

Lindo Calamity... e tao bom existirem tios assim nas nossas vidas. Que nos enchem de orgulho. Que nos trazem um sorriso aos labios quando pensamos neles.
1 beijo enorme para ti.

Cool Mum disse...

Que linda homenagem. Um abraço apertado e um beijo.

Caracoleta disse...

Que lindo texto escreveste para nos dares a conhecer o teu tio.
Lamento a sua partida.
Um xi-coração apertado!

Rubrica Brasil disse...

Ele foi,é e será sempre tão lindo.
Agora,eternizado neste texto maravilhoso,cheio de saudade,repleto de dignidade.
Beijos no teu coração.

AEnima disse...

ele alguma vez soube que nutrias toda essa admiracao por ele?

Melões Melodia disse...

Um beijo e um abraco

C_mim disse...

Força miúda!! beijinhos

Rute Borges disse...

Uma homenagem que trás lembranças, que nos enche o coração de memórias boas e de dores, tantas.
um beijo

Atlântida disse...

Um beijinho muito grande.

Ck in UK disse...

ate sempre!

Tuxa disse...

Muito, muito bonito. Uma bela homenagem!

Mãe Frenética disse...

:( e :)
Um beijo enorme minha querida.

Mocho Falante disse...

É bom recordar assim mesmo que seja com muita saudade e com alguma tristeza...adorei

Loira disse...

um beijinho para ti, minha amiga...

Luz de Estrelas disse...

Tinha vindo aqui há dias fazer uma voltinha silenciosa, pois estive sempre ausente da net. N consegui comentar, por logística. A minha vontade era mandar uma sms, mas troquei de telemóvel, fiquei outra vez sem os números de muita gente que estavam gravados no hardware. Um abraço minha CJ. Que as saudades fiquem doces depressa.