4/21/2009

O Estado e o estado a que isto chegou

35 anos depois do 25 de Abril, talvez tenha chegado o momento de nos interrogarmos sobre qual o papel do Estado e se fará sentido, dada a realidade, continuarmos a insistir neste modelo de sociedade. Mas, claro, isso sou eu, que tenho a mania de pensar em coisas...

De qualquer modo, e porque parece que, apesar daquela senhora gorda que se sentou em cima da malta e a quem chamam carinhosamente Crise, ainda andam aí alguns que têm manias (vícios, vá lá) semelhantes às minhas, aqui fica uma pista de reflexão. Coisa velhita e desactualizada...

Liberdade

Viemos com o peso do passado e da semente
Esperar tantos anos torna tudo mais urgente
e a sede de uma espera só se estanca na torrente
e a sede de uma espera só se estanca na torrente
Vivemos tantos anos a falar pela calada
Só se pode querer tudo quando não se teve nada
Só quer a vida cheia quem teve a vida parada
Só quer a vida cheia quem teve a vida parada
Só há liberdade a sério quando houver
A paz, o pão, habitação, saúde, educação
Só há liberdade a sério quando houver
Liberdade de mudar e decidir
quando pertencer ao povo o que o povo produzir
quando pertencer ao povo o que o povo produzir

Sérgio Godinho
(in 'À Queima-Roupa', 1974)

pensamos em conjunto?

13 comentários:

Monikyta disse...

E cantar em conjunto?

http://www.imeem.com/hertzonline/music/MEjRGiKR/sergio-godinho-liberdade/bj meu

Tita disse...

Cantemos em conjunto!!!

ritmargaride disse...

Sempre!

Mar disse...

Se é tão fácil concordarmos com o que deviam ser as prioridades do Estado, porque é que é tão difícil enviar esta mensagem a quem decide?

;)

ptc disse...

nós somos génios! sério! não encontro outra explicação para o facto de só nós vermos que as prioridades estão todas trocadas.

Mae Frenética disse...

Eu ia perguntar se era dalgum album novo dele, tal a actualidade, Valha-me DEus...

flores disse...

tão simples, ñ é? A paz, o pão, habitação, saúde, educação.

Tânia disse...

Acho que o problema (pelo menos para mim) é que os modelos que nos são mais familiares faliram, uns atrás dos outros. Qual a alternativa?

Andorinha do Mar disse...

Ora! Assim que passa a época eleitoralista, das promessas (que não passam disso), assim que se apanham no poleiro (nã!o big sacrificio do serviço público)é vê-los a "prioritar" Jobs for the boys -traduzindo à letra- tachos para os rastejantes. De seguidinha toca a orientar a familia,(nos tempos que correm à q dar prioridade aos entes queridos, pois então) e logo, logo, toca a preparar o caminho para sair, directamente, para um ganda tacho numa qq grande empresa, banco emfim...um lugarzinho de DG em orgão público também serve... (tb aí ñ faltam mordomias)

Mocho Falante disse...

claro que pensamos e cantamos em conjunto...até que a voz nos doa

beijos

PreDatado disse...

Por que é que eu também tenho o vício da liberdade?

escarlate.due disse...

desactualizada??????

Monikyta disse...

CJ'zinha ;)

e a[s] carta[s] do teu amigo&amor chico:

- a original
http://www.youtube.com/watch?v=hdvheuHhF2U- a versão conhecida
http://www.youtube.com/watch?v=PsJpeR2K-isps: estivemos em festa [hoje] pá :P